…As histórias que irei contar aos meus netos!

Prólogo

              Em uma noite fria de inverno, ao som da doce chuva que cai vagarosamente no telhado, o aconchego das lãs dos cachecóis feitos pelas mãos enrugadas de quem viveu muitas histórias, aquece junto com o calor da suntuosa lareira decorada com muitos porta-retratos do tempo o coração dos pequeninos sentados no tapete que de tão macio chega a afundar as mãozinhas. Com os olhos brilhando como se fossem ganhar brinquedos de Natal, os ouvidos atentos, todos juntos como um coral: história, história, história, história.

            A senhora de cabelos brancos cujo tempo se encarregou de descolorir, com orgulho honra cada fio que ao perder a cor ganhava respeito por seus atos e mais um dia de vida muito bem vivido e aproveitado até o último tom. Com um belo sorriso, de maneira lenta para perdurar o momento abaixa o óculos e olha fixamente para guardar mais uma vez na lembrança cada um dos pequenos ao seu redor que a tornariam imortal. Procura uma posição confortável na cadeira de balanço já desgastada feita de madeira de lei artesanalmente entalhada com detalhes de árvore antiga, em suas mãos segura um livro de páginas amarelas, cheias de marcas, algumas de: café, suco, dendê, lágrimas, batom, vodka, perfume… Em cada uma delas guardava com apreço o maior tesouro da sua vida: pessoas e lugares que juntas nas estradas do tempo fizeram suas histórias.

Já me disseram que eu sou uma boa contadora de histórias, melhor que ser contadora é ser fazedora de histórias, isso sim eu sei que realmente sou, eu amo viver, não ter medo de arriscar, de abrir os braços e agarrar cada segundo da vida como se fosse único, fazer de simples cervejas grandes momentos  e guardar bem guardadinho nas lembranças cada pessoa e lugar esses sim são os verdadeiros tesouros valiosos da vida.

Acho que aprendi esse negócio de contar história com meu pai, desde pequena as ouvia, ele sempre tem uma boa para contar e eu com as mãozinhas dobradas segurando o queixo ouço atentamente e sinto cada emoção vivida.

Ainda tenho muito o que viver, muito o que aprender, que errar, que ensinar, a estrada da minha vida ainda tá no inicio, só plantei uma árvore, o livro, pois é esse ano pretendo voltar a me dedicar a um dos 3 livros que estou escrevendo cuja parte do prólogo é esse que vos mostrei a cima. No livro irei contar algumas das histórias que já vivi e as que não vivi, mas espero viver um dia.

Netos, num futuro bem distante…quero muitos. Espero que daqui para lá já tenha de verdade vivido intensamente todas as aventuras e peripécias que estou a escrever no livro .

A história da foto? Só digo que tem casamento, lugar sem energia, forró com banda de um teclado, poeira, água de pote de barro, convite para tomar um refrigerante, lições de vida…

…ao som de Beatles!

Uma resposta to “…As histórias que irei contar aos meus netos!”

  1. renatete Says:

    milete e suas aventuras e suas frases e histórias..descritas sempre com muita emoção, contagiante.
    =** amiga! saudadess

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: